Porto Alegre desconhece o que é competitividade

Publicada em 07/11/2020

Qualidade, atendimento e preço são variáveis que nos fazem escolher por um serviço ou pelo local onde compramos um produto. Se a qualidade e o atendimento são semelhantes é natural que o preço seja um fator decisivo. O que isto tem a ver com a Porto Alegre que queremos? Vou me centrar no setor de eventos. Envolve entretenimento, mas também conhecimento e negócios, através de seminários, congressos e feiras.

Não vou gastar o tempo aqui lembrando que não temos um centro de eventos de grande porte ou que a Prefeitura de Porto Alegre perdeu recursos federais para esta finalidade. Um dos caminhos é desburocratizar para que o setor privado possa empreender. Mas o que assusta é o comportamento de repulsa da cidade aos eventos pela voracidade da arrecadação. Nossa alíquota de ISS para o setor é a maior do Brasil.

Capitais como Rio de Janeiro, Curitiba e Florianópolis já reduziram as suas alíquotas ao mínimo de 2%. Onde você acha que o produtor levará o show de uma grande atração internacional na América Latina quando tiver que decidir-se por uma cidade entre Buenos Aires e São Paulo? Com renda, estrutura e população semelhante é lógico que a capital do Paraná passa a ser a primeira opção. Poucos setores podem responder tão rapidamente à geração de emprego e renda no pós-pandemia quanto o de eventos. Porto Alegre não conhece o que é ser competitivo.

Bem perto daqui, em Esteio, o prefeito Leonardo Pascoal nos mostrou que é possível fazer a arrecadação crescer com menos imposto e com respeito ao empreendedor. No auge da pandemia, em julho, ele decidiu reduzir o ISS (Imposto Sobre Serviços) para 118 atividades econômicas até dezembro deste ano. O resultado? A arrecadação que vinha em queda teve alta de 0,93% já em julho, de 12,67% em agosto e de 7,15% em setembro. A chance de permanecer na alíquota mínima é real.

Infelizmente Porto Alegre se distancia cada vez mais de outros centros – e até mesmo de seus vizinhos – e se torna menos competitiva a cada dia. As mentes pensantes e os círculos de decisão desta cidade não podem mais permitir que tomemos apenas o cavalo encilhado do atraso e da estagnação. Temos tudo para tornarmos nossa Porto Alegre melhor. Que o setor público não atrapalhe o privado, que seja um facilitador e um fomentador de políticas que, ao cabo, possam gerar mais emprego, desenvolvimento e uma sociedade mais justa, igual em oportunidades e feliz.

Escrito por: Jornalista André Machado

120270526_1326224807548273_2036140881116480580_n

MAIS artigos

amyortiz123

Escrito por: Anny Ortiz

07/16/2021

Desde o primeiro dia do meu mandato na Assembleia Legislativa, iniciado em 2015, tenho como uma das bandeiras o combate aos privilégios no setor
download

Escrito por: Alex Pipkin, PhD

03/31/2021

Não é novidade para ninguém que a qualidade das políticas públicas no país é de doer. Literalmente, as sentimos na pele e nos bolsos.